Sim, a criatividade pode ser aprendida

0
36
Criatividade

Quando pensamos em gênios criativos, é difícil ignorar os gênios como Mozart, que compôs sua primeira sinfonia aos 8 anos, Pablo Picasso, que lançou o cubismo com “Les Demoiselles d’Avignon” aos 25 anos ou até mesmo Mary Shelley, que publicou Frankenstein aos 20 anos.

Mas e Leonardo da Vinci, que não teve sucesso até pintar “A Última Ceia” em seus quarenta e poucos anos de idade? Ou Stephen King, que passou nove anos trabalhando em seu primeiro romance, Carrie, pelo qual lhe ofereceram menos de 3.000 dólares (desde então, ele ganhou mais de um milhão de dólares no back-end, bem como direitos de filmes).

Como diz o vídeo-contador britânico Adam Westbrook sobre os gigantes criativos da história: “Todos nós temos o cérebro, o talento e a criatividade para nos juntarmos a eles. Mas agora, quando isso importa, algum de nós tem paciência?”

A criatividade pode ser aprendida. É que para alguns de nós, é preciso um pouco mais de paciência e um pouco mais de esperteza sobre como escolhemos pensar. Abaixo estão as formas cientificamente comprovadas de aprender ou melhorar a criatividade, juntamente com uma seleção de citações de alguns talentos incríveis.

Algumas lições são simples – cercando-se de uma paleta de cores diferentes, dando tempo para passeios – enquanto outras levarão um pouco de tempo para dominar – treinando-se para ver padrões temáticos, abrindo-se mentalmente a novas experiências – mas a verdadeira lição é que, não importa sua idade ou sua experiência, todos nós podemos aprender a ser mais criativos.

Treine você mesmo para fazer associações originais

Criatividade mágica

Como não existe um pensamento original, mas sim uma perspectiva original sobre um pensamento, não é uma surpresa que a capacidade de fazer associações entre tópicos aparentemente não relacionados seja uma das chaves para a criatividade.

Por exemplo, a primeira história de Adam Gopnik para The New Yorker combinou seu estudo acadêmico da arte renascentista com sua paixão infantil pelo beisebol em uma das histórias mais originais e criativas que ele já escreveu. É esta capacidade de combinar informações de vários cenários e experiências (conhecidas como “integração conceitual”) e a paciência para entender comparações complexas que está no centro de uma mente criativa, de acordo com um estudo recente.

Os “pensadores lineares”, tais como engenheiros e cientistas, freqüentemente têm dificuldade em encontrar padrões a partir de informações díspares. Muitas pessoas que não se consideram “criativas” ainda são incrivelmente inteligentes, mas são antes “pensadores lineares”, preferindo pensar profundamente em um único assunto em vez de uma variedade de assuntos. No entanto, é a combinação de assuntos, a busca de padrões entre, e não dentro de assuntos, que estimula associações originais e insights criativos.

Então, como você consegue melhorar a criação de associações originais? A primeira coisa a fazer é ouvir.

Outras pessoas podem lhe dar novas perspectivas e maneiras únicas de ver os problemas que você talvez não tenha pensado ser possíveis. Também ajuda a se tornar mais culto – mais sintonizado com a arte, literatura, idiomas. Afinal, você não será capaz de encontrar uma associação original entre um esporte e um movimento artístico se nunca abriu um livro de arte ou esteve em um museu.

E por fim, leia profundamente e amplamente. Saiba o que tem sido feito ou dito sobre o assunto que você quer perseguir e encontre uma maneira de dar uma nova volta nele.

Se você quer ser um pintor melhor, estude os mestres; se você quer ser um escritor mais criativo, leia os grandes.

Não há nada de errado em obter idéias dos especialistas em suas áreas. É sua capacidade de acrescentar algo novo à conversa, de contribuir com algo que valha a pena para a obra histórica que é a marca de uma mente criativa.

Esteja aberto a novas experiências

Rosto pintado

Um dos “Grandes Cinco Traços de Personalidade”, um conceito construído por dois psicólogos renomados é a “abertura à experiência” junto com a consciência, a extra-versão, a agradabilidade e o neurótico. A “abertura à experiência” implica que você tem gosto estético, uma imaginação dinâmica, uma compreensão de suas emoções interiores, uma curiosidade intelectual inquieta, e uma vontade de variedade.

Felizmente, a “abertura à experiência” também é um traço que pode ser afinado e melhorado.

Annie Dillard escreveu em A Vida Escrita, “Como passamos nossos dias é, é claro, como passamos nossas vidas”.

Se passarmos nossos dias abertos a novas experiências fazendo coisas como aprender novas línguas, conhecer novas pessoas, experimentar novas comidas, empurrar-nos intelectualmente com livros e quebra-cabeças difíceis, e permanecer abertos a questões sociais e políticas difíceis, sempre conscientes de pontos de vista alternativos, então lenta mas seguramente mudaremos nossas vidas, tornando-nos mais criativos no processo.

Reserve um tempo para uma caminhada

caminhada

Alguns dizem que a criatividade ataca no chuveiro, mas de acordo com pesquisas recentes, é mais provável que você encontre seu relâmpago de inspiração enquanto passeia. De acordo com um estudo recente de Stanford, “caminhar aumentou 81% da criatividade dos participantes no GAU”, ou o Guilford Alternate Uses, um teste clássico de criatividade que olha para a capacidade de pensar de forma divergente e criativa. Mesmo depois de uma caminhada, a criatividade continua a ser estimulada.

Os pesquisadores de Stanford também conduziram outra experiência de criatividade e caminhada no mesmo trabalho, pedindo aos participantes que pensassem em uma metáfora, tal como “um casulo em gestação”, e chegassem a uma metáfora semelhante, mas diferente (por exemplo, “um ovo eclodindo”).

95% dos participantes que foram dar uma pequena caminhada e voltaram puderam pensar em uma metáfora; contudo, apenas 50% dos que se sentaram em uma sala durante o mesmo período de tempo conseguiram pensar em uma metáfora.

Os grandes criativos há muito compreenderam a importância de dar uma caminhada para impulsionar a criatividade, mesmo antes que a neurociência estivesse lá para apoiá-la. “Como é vaidoso sentar-se para escrever quando não se está de pé para viver”! Henry David Thoreau escreveu em seu diário. “No momento em que minhas pernas começam a se mover, meus pensamentos começam a fluir”. O coração bombeia mais rápido, nossa circulação de sangue e oxigênio é melhorada, e nossos cérebros colhem os benefícios.

Acrescente mais verde à sua vida

A neurociência da cor é um assunto complexo, mas, em muitos aspectos, tudo se resume ao verde. “Um breve vislumbre do verde antes de uma tarefa de criatividade melhora o desempenho criativo”, de acordo com um estudo no Boletim de Personalidade e Psicologia Social.

Quer você esteja assumindo uma tarefa criativa baseada em palavras ou em imagens, olhar para o verde imediatamente antes de embarcar em sua tarefa criativa ou no meio de fazer isso tende a aumentar a criatividade mais do que qualquer outra cor, especialmente azul e amarelo, o que tende a acalmar o cérebro e pode realmente diminuir a criatividade.

Mantenha uma mesa desordenada

Quase parece bom demais para ser verdade. Mas, como explicado por este Professor de Administração após um extenso estudo, “Ser criativo é ajudado pela quebra da tradição, da ordem e das convenções e um ambiente desordenado parece ajudar as pessoas a fazer exatamente isso”.

Além disso, muitos dos grandes gênios criativos da história têm tido carteiras bagunçadas. Dito de forma simples, se você quiser produzir um trabalho criativo importante – concentre-se nas coisas que realmente importam.

Não tenha medo de se destacar

Sharon H. Kim, uma professora que se concentra na criatividade em grupo, descobriu em seu estudo mais recente que os indivíduos mais criativos são indivíduos que gostam de se destacar na sociedade ou que foram, de uma forma ou de outra, rejeitados pela sociedade.

“Dado que as soluções criativas são por definição incomuns, pouco freqüentes e potencialmente controversas, elas são estimuladas pelo desejo de se destacar e de afirmar sua singularidade”, escreveu Kim. “A experiência da rejeição pode desencadear um processo psicológico que estimula, ao invés de sufocar, o desempenho em tarefas criativas”.

Não se importar com as normas da sociedade e “encaixar” é o primeiro passo para se destacar e explorar este caminho para a criatividade.

“Quando deixamos nosso foco se afastar das pessoas e das coisas ao nosso redor, somos mais capazes de nos engajar no que é chamado de ‘meta-cognição'”, ou no processo de “pensar de forma crítica e reflexiva sobre nossos próprios pensamentos”, como disse o professor de psicologia Gregory Feist ao The Boston Globe.

Refine suas ideias: Esclareça, idealize, desenvolva, implemente

Esclareça: faça as perguntas certas; idealize: procure tantas soluções e idéias quanto puder; desenvolva: certifique-se de que a idéia seja prática; implemente: faça-a acontecer.

Estas idéias, inerentes à prática “design thinking” podem transformar a forma como as organizações desenvolvem produtos, serviços, processos e estratégias.

Os avanços criativos raramente são o produto de inspiração súbita, mas sim um subproduto da perseverança e de uma rotina rigorosa. Seja paciente, esteja disposto e, acima de tudo – não pule as etapas acima antes de chegar à implementação. Na maioria dos trabalhos criativos, a perseverança supera o impulso.

Conheça a importância de definir o tempo para relaxar

Segundo a pesquisa, as pessoas que estão relaxadas tendem a encontrar soluções criativas mais rapidamente. A idéia é que uma mente relaxada e errante ajuda as pessoas a flutuar mentalmente entre as idéias em vez de ficar presas em um modo de pensar linear e analítico onde as conexões criativas são mais difíceis de tropeçar.

“A deriva, parece, é um sinal seguro de que nossos sucos criativos estão fluindo”, escreveu Richard Fisher em New Scientist. “Quando se trata de chegar a ideias brilhantes, a capacidade de concentração é superestimada”. Se a mente de uma pessoa está vagando, ela supera seus pares em uma série de tarefas onde flashes de visão são importantes, desde jogos de palavras imaginativos até exercícios de pensamento original e invenção”.

Prática

Como explicado mais popularmente em Malcolm Gladwell’s Outliers, a “regra das 10.000 horas” é a teoria de que é necessário trabalhar em uma habilidade criativa específica por 10.000 horas – oito horas por dia, cinco dias por semana, por pelo menos cinco anos – antes de poder dominá-la verdadeiramente.

Reddit organizou uma entrevista “Pergunte-me Qualquer Coisa” com Gladwell, que esclareceu esta teoria, escrevendo: “A prática não é uma condição suficiente para o sucesso. Eu poderia jogar xadrez por 100 anos e nunca serei um grão-mestre”. A questão é simplesmente que a habilidade natural requer um enorme investimento de tempo para que se manifeste”. Ou seja, a criatividade sempre pode ser aprendida até certo ponto e, embora a prática seja necessária, nem sempre é suficiente para ser um especialista criativo.

Ainda assim, para ser o melhor criativo possível, não há truque que possa suplantar o bom e velho trabalho árduo.

Esboçar, fazer brainstorming, trabalhar, refinar, repetir – estes são os truques mais seguros para desbloquear sua criatividade.

Sim, a criatividade pode ser aprendida

Portanto, quer você seja jovem ou velho, tenha colocado em 10.000 horas ou nenhuma hora, saber que a criatividade é um talento que pode ser melhorado é apenas o primeiro passo para se tornar mais criativo.

O próximo passo é usar a ciência em seu benefício e, lenta mas seguramente, destravar seu potencial criativo. Portanto, vá até lá, rodeie-se de verde, dê um passeio, se destaque, seja um pouco confuso, fique aberto a novas experiências e esteja sempre atento a padrões. Mas o segredo é que você deve estar sempre trabalhando em sua criatividade.

Escreva um diário todas as noites antes de ir para a cama, esboce algo pequeno em um caderno no trem para trabalhar, ou (sorria) experimente sua mão em um novo desenho de Canva. O que quer que você faça, empurre-se constantemente para pensar de maneira diferente, estranha e criativa.

Fonte: https://www.canva.com/learn/creative-learning/

Deixe uma resposta